15 de set de 2012

Mãe localiza filho desaparecido há 22 anos pelo twitter



"Eu nem acreditei quando achamos. Meu Deus, quase tive um ataque do coração", brinca Meri.


Meri Terezinha Gomes de 46 anos, conta que, quando se separou do marido, ele seguiu para Rondônia levando junto o filho de quatro anos. Prometeu que mandaria notícias, mas isso, segundo a mãe, nunca aconteceu.

Meri perdeu contato com o marido e durante muitos anos tentou localizar seu filho Jackson  através de programas  de TV , rádios e sites na internet, mas sem sucesso.

Jackson Gomes perfil twitter
Seu outro filho mais velho, vendo a angústia da mãe, começou a pesquisar pelo nome do Jackson na internet, procurando nas redes sociais, até que um dia,   cruzando informações do nome dele e dos pais  no Twitter, conseguiu encontrar o irmão.





"Eu fazia de tudo para tentar encontrar o Jackson. Meu filho mais velho foi mexendo e encontrou uma lista com todos os brasileiros que tinham o mesmo nome dele. Depois de muito procurar, ele foi cruzando os nomes de pai e mãe. Daí caiu direto no perfil do Twitter do Jackson", disse Meri.
"Foi emocionante. Eu não me dei conta do tempo, mas acho que ficamos pelo menos umas três horas no telefone. Ele me contou que soube que eu era a mãe dele quando ele tinha 17 anos. Disse que depois disso, também começou a me procurar", relatou a mãe.

Jackson, que hoje tem 26 anos, trabalha como porteiro numa escola na cidade de Colniza (MS) e conta que também procurava pela mãe na internet. Só ficou sabendo dela quando tinha 17 anos e então começou a procurá-la nas redes sociais.
 "Quando eu descobri sobre a minha mãe fiquei louco de vontade de conhecê-la. Eu fiz de tudo para procurá-la. Além do Twitter, fiz também perfil no Facebook, no Orkut e todos os sites de relacionamento que eu achei que poderiam me ajudar. Tudo graças à internet. Se não fosse isso, acho que eu não conseguiria encontrá-la nunca mais".
Por enquanto os dois só se falaram pelo telefone. Eles querem se ver, se abraçar mas  ainda não tem condições financeiras para isso.
 "Eu estou me virando aqui. Tô tentando trabalhar dobrado para ver se eu consigo comprar logo a passagem para ir até o encontro dela".
----------oooOooo----------

Muitos são os casos que  já foram solucionados com o uso da rede internet, que hoje é uma grande aliada para quem busca um parente desaparecido.

Cito dois casos que foram marcantes:

Em maio de 2012,  a socióloga Fátima Abou Mahmaoud,  postou no Facebook a foto  do irmão deficiente Omar Abou Mahamoud (28) com  um pedido de ajuda. A imagem se espalhou. Teve 10 mil compartilhamentos. O rapaz sumiu no dia 7 e foi encontrado no dia 13, Dia das Mães, graças à pista passada por um internauta.

Ela  recebeu uma  informação passada por um rapaz de Guarulhos, na Grande São Paulo, que havia visto o post dela e foi conferir.

“Ele contou que viu meu irmão entrando em um ônibus na Estação Armênia com destino a Arujá, na Grande São Paulo. Fiz o mesmo trajeto, falei com motoristas e cobradores. No ponto final, soube que assistentes sociais o haviam levado a um hospital”. O rapaz estava sem documentos e os médicos já queriam transferi-lo para uma clínica psiquiátrica.


Em outubro de 2011, Renan Fogaça, foi encontrado após a sua irmã Karina Fogaça postar uma foto da vítima na rede social Facebook, com a seguinte mensagem:

 “PESSOAL MEU IRMÃO Renan Fogaça foi sequestrado ontem as 21:15 da noite até agora nenhuma noticia, ele estava no carro dele FIESTA HATCH vermelho PLACA DMC 8477, favor verificar com amigos e compartilhar no FACEBOOK pra vê se conseguimos localizar ele...”

Após a divulgação a família foi avisada pelo Hospital Estadual de Diadema, que viu a foto na rede social. Renan estava internado em estado crítico na UTI. Infelizmente ele  não resistiu.


Dica: Colabore, divulgue fotos de desaparecidos em seu perfil  da rede, seja Orkut, Twitter ou Facebook. Você pode estar salvando uma vida, mas tome cuidado, verifique a origem, confirme se é confiável e se a pessoa ainda está de fato desaparecida. Isso pode ser feito ligando para o número indicado, consultando a polícia ou a pessoa responsável pelo post.

www.desaparecidosdobrasil.org

Nenhum comentário: