8 de mar de 2011

ABDALAÇÃO não é cultura, é tortura!


MULHER, FLOR MUTILADA! 

"Nada pode ser pior que urinar e menstruar por uma abertura do tamanho de uma ervilha. "

A ABLAÇÃO, mutilação genital feminina, MGF, ainda é prática atual na África e vários países da América e Europa. Neste dia Internacional da Mulher, queremos  com o exemplo de WARIS DIRIE,  mostrar que a luta pelos direitos da mulher ainda é uma  longa e tortuosa estrada a ser percorrida.

WARIS DIRIE




ABLAÇÃO - MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA

Procedimentos

A mutilação genital feminina é classificada em quatro tipos principais.
  • Clitoridectomia: remoção total ou parcial do clitóris (uma pequena parte, sensível e erétil dos órgãos genitais femininos) e, em casos muito raros, só o prepúcio (prega de pele ao redor do clitóris).
  • A excisão: remoção parcial ou total do clitóris e dos pequenos lábios, com ou sem excisão dos grandes lábios (os lábios são "os lábios" que rodeiam a vagina).
  • Infibulação: estreitamento da abertura vaginal através da criação de um selo de cobertura. O selo é formado por corte e reposicionamento dos lábios internos ou externos, com ou sem remoção do clitóris.
  • Outros: todos os outros procedimentos prejudiciais à genitália feminina para fins não médicos, por exemplo, punção, perfuração, incisão, raspagem e cauterização da área genital.

Sem benefícios de saúde, apenas danos

MGF não tem benefícios para a saúde, e isso prejudica as meninas e mulheres de várias maneiras. Ela envolve a remoção, danificando o tecido genital feminino e interferindo nas funções naturais das moças e o corpo da mulher.
As complicações imediatas incluem dor severa, choque, hemorragia (sangramento), tétano e septicemia (infecção bacteriana), retenção de urina, feridas abertas na região genital e ferimento ao tecido próximo à área  genital.
As conseqüências a longo prazo podem incluir:
  • bexiga e infecções recorrentes do trato urinário;
  • cistos;
  • infertilidade;
  • um risco aumentado de complicações no parto e as mortes de recém-nascidos;
  • a necessidade de cirurgias posteriores. Por exemplo, o procedimento de MGF, que sela ou provoca um estreitamento da abertura vaginal (tipo 3 ou mais), deve ser aberto posteriormente para permitir a relação sexual e o parto. Às vezes é costurado de novo várias vezes, inclusive após o parto.
Entre 100 a 140 milhões de meninas e mulheres no mundo  vivem com as consequências da MGF. Na África, cerca de 92 milhões de meninas são submetidas à MGF.

 Slide: https://docs.google.com/present/view?id=d73szjb_166cz3crn39&interval=10

----------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário: