2 de jul de 2010

LÁGRIMAS DA DERROTA

Duro ver tamanha tristeza em tão belo rosto.

 Até então considerado o melhor goleiro do mundo Julio Cezar após alguns instantes tentando sufocar o choro,   fala ao repórter em meio as lágrimas.


“Ninguém esperava. O grupo estava confiante no que havia feito nesses três anos e meio, mas precisamos reagir, o mundo não acaba”, revelou.


“A confiança era grande, mas são 11 contra 11 e no segundo tempo eles mereceram. Acho que o primeiro gol deu um baque na equipe”.

------------

Realmente o mundo não acaba e  numa competição só há espaço para um vencedor, desta vez não  fomos nós, temos que aceitar e reconhecer que o adversário foi melhor.

Veja o vídeo da entrevista do Júlio: http://www.youtube.com/watch?v=psOeJWLH5qs

29 de jun de 2010

ANGÚSTIA SEM FIM

CRIME FÁCIL

Não há fronteiras!
Talvez esta seja a maior de todas as dificuldades para a solução das crianças e pessoas desaparecidas no Brasil e no mundo. Sequestradores não ficam dentro dos limites das cidades e hoje, as buscas aqui no Brasil se limitam aos arredores do local onde a pessoa ou criança sumiu.

A falta de conhecimento por parte daqueles que poderiam mudar e fazer cumprir as leis torna ainda mais grave e distante qualquer solução. Enquanto o Brasil se preocupa em mascarar seus problemas internos e sai oferecendo verdadeiras fortunas em dólares para ajudar vários países do mundo, suas crianças, filhos dessa terrra, que tem sua proteção garantida pela Constituição, são ignoradas e se tornam vítimas de crimes hediondos.

Erros que impedem  avanços nos casos de crianças desaparecidas.
Dois problemas muito sérios impedem qualquer progresso nesta área.
  1. O desconhecimento e, em consequência a desestrutura dos governos em relação à questão;
  2. A regionalização e individualizaçao das cidades ou estados, quando o problema é nacional.
Primeiro há de se separar o que é um simples desaparecimento de uma criança e/ou adolescente que fugiu de casa e que normalmente é solucionado rapidamente, dos casos de sequestros onde a vítima é levada para regiões distantes, em outros estados e até para fora do país e nunca mais retorna ao seio familiar.

Causas dos desaparecimentos das crianças e adultos.
Quando ouvimos  felizes  notícias que alguém encontrou uma pessoa, criança ou adulto, que se encontrava desaparecida, devemos levar em conta que se refere a casos isolados. Às vezes, alguma criança que fugiu de casa ou um adulto que se distanciou da família durante o percurso de sua vida e foi dado como desaparecido. Maus tratos, doenças, acidentes ou algum problema mental, também causam desaparecimentos voluntários e involuntários. Outro fator que angustia pais e filhos e motivam muitas buscas, são os abandonos de recém-nascidos e casos de adoção, quando então os laços familiares são desfeitos e ao longo da vida aquela pessoa outrora abandonada, demonstra o desejo de conhecer suas origens e sai em busca daquele elo perdido. 
Estes podem ser considerados desaparecidos.

Quando deve ser tratado como crime?
As estatísticas falam em milhares de crianças desaparecidas. Os números apontam mais de 40 mil por ano. Não seria mais correto afirmar que temos milhares de crimes não solucionados?   Estes casos não são iguais aos citados acima, mas de crianças desaparecidas das quais nunca mais se teve notícias.

Estas crianças ditas desaparecidas, tem família e levavam uma vida normal até o momento em que simplesmente sumiram sem deixar o menor vestígio. Existem registros de casos tão antigos, que se fossem encontrados hoje, já seriam adultos, porém no site oficial do governo  -desaparecidos.mj.gov.br- ainda consta a foto de quando ela ainda era uma criança.

Que valor tem isso? De que serve um serviço oficial que só estampa uma foto antiga  e nada mais? Muitas das crianças registradas ali no MJ, já voltaram para suas casas, mas sequer foi dado baixa, o que comprova a ineficácia do programa do governo.  Só recentemente foi estabelecido um serviço de progressão de idade, a REDESAP no DF, que atualiza apenas alguns casos do próprio estado  e sequer é divulgado para a sociedade. Divulgação deve ser feita em locais visíveis, onde as pessoas  tenham acesso e possam reconhecer a foto, não numa fonte (site)  que 99% da socidade desconhece.

O Paraná é um dos poucos estados que tem 97% dos seus casos de crianças desaparecidas resolvidos. Para isso se tornar possível, eles criaram um serviço especializado, o SICRIDE, órgão da Polícia Civil que registra e investiga crianças sumidas com até 12 anos. Uma lei estadual específica aliada a uma polícia especializada, permitem a recuperação da criança em poucas horas e ao mesmo tempo inibe a ação dos bandidos.  Eles também utilizam o sistema de envelhecimento de fotos, onde os peritos usando técnicas especiais conseguem  realizar a progressão de idade.
Veja exemplo: Este é Mikelangelo Alves da Silva, desaparecido em 1980, aos 4 anos de idade. O trabalho de projeção de idade realizado pelo SICRIDE, nos mostra como deverá estar hoje.














Por que sequestram crianças?
Porque é muito fácil cometer este crime no Brasil.
Primeiro os pais e orientadores não previnem suas crianças adequadamente e as deixam expostas ao perigo.
Segundo, porque as ações que devem ser tomadas imediatamente, assim que se perceba a ausência da criança, são ignoradas, o que dá uma vantagem grande para o sequestrador.

Causas são as mais diversas.
Tráfico de crianças para trabalho escravo ou exploração sexual, sequestros para o tráfico/comércio de órgãos e crianças sequestradas por pais separados ou parentes, são os responsáveis pela maioria dos desaparecimentos de crianças.  ( Veja - Trabalho infantil  e também trabalho escravo aqui no Blog. )Crianças vítimas de estrupadores muitas vezes também são mortas  e seu  corpinho nunca mais encontrado.

Interessante quando falamos em sequestros, tráfico de pessoas e tráfico de órgãos as pessoas nos olham totalmente descrédulas. Pensam que tal coisa está muito distante de suas vidas, de seus lares.

Solução
A fragilidade do atual sistema  impossibilita uma abordagem global, integrada e envolvente como deveria ser. É necessário implantar em todos os Estados da Federação além das Polícias Civil e Federal, um sistema de Gerenciamento de Bancos de Dados com CADASTRO ÚNICO, que possibilite a troca de informações e emissão de alertas, de qualquer parte do país, a qualquer hora, em tempo real.

Um serviço único; a integração de todos os Estados; pessoas qualificadas e Delegacias especializadas. Criar e fazer funcionar, porque de nada valem leis e sistemas que tomam  os noticiários em épocas de eleições  e depois são abandonados ao descaso.

Alguns Estados já lutam corajosamente contra esta máfia de crime organizado para o tráfico de pessoas  e percebemos claramente que neles o índice de crianças desaparecidas é bem menor.

A sociedade precisa se mobilizar, tomar ciência e combater este fantasma que espreita e pode atacar  a qualquer momento.

Bons conselhos podem ser encontrados no site: Desaparecidos do Brasil-
Por Amanda iab
Desaparecidos do Brasil.

27 de jun de 2010

AJUDE A PROCURAR ANDRESSA

Mais uma vez uma criança desaparece sem deixar o menor vestígio.  Desta vez aconteceu numa pacata cidade do interior. A polícia militar e os bombeiros fizeram uma busca minuciosa no local mas é sabido que para estes casos é preciso muito mais. A agilidade, a rapidez e um sistema de buscas especial com uma equipe preparada em casos de crianças desaparecidas a exemplo da SICRIDE no Paraná, podem evitar todo este sofrimento.

Lei  não é cumprida.
Em Santa Catarina, a Lei 14371, promulgada pelo então presidente da Alesc, deputado Júlio Garcia, determina a criação do SECRIADE, delegacia especializada na procura por crianças desaparecidas. A publicação no diário oficial ocorreu em 11 de fevereiro de 2008, a mais de 2 anos e a sociedade quer saber: Quando a lei será cumprida?

O caso Andressa:
Já se passaram 10 dias e continua desaparecida a menina Andressa Tais Holz, 12 anos, moradora em Luzerna, no MeioOeste de Santa Catarina.

A família está desesperada em busca de notícias da filha que desapareceu no dia 17 de junho, perto das 14h, quando seguia de bicicleta rumo a Igreja matriz onde fazia catequese. Na ocasição estava com uma camiseta de um time de futebol.

 Foram realizadas buscas por toda a cidade e noticiado em rádios e  vários jornais. A divulgação se estende pelas comunidades do orkut e através do twitter, mas ainda não houve nenhum indício sobre o paradeiro da pequena jovem.

Se você a viu ou sabe de alguma coisa ligue 181 e 190. Outros telefones: Escola (49) 3523-1882 // Polícia civil: (49) 3523-1414, ou através do e-mail: educacao@luzerna.sc.gov.br

Dramas semelhantes se espalham pelo Brasil. Veja outras crianças que estão desaparecidas: Clique aqui

Ajude a espalhar pelo twitter. Utilize o botão abaixo. T